Visita e Ritual Indígena/Visit and Indians Ritual

Saída do Píer Natureza em direção ao Rio Negro, 1 hora de navegação até o local da tribo. Na chegada você já avista a oca, construções como esta são raridade hoje no Amazonas. Mesmo nas áreas indígenas da floresta, apenas um quinto dos índios vive hoje em uma oca tradicional. O passeio pertinho da cidade é uma oportunidade única para conhecer de perto a cultura deles sem precisar se embrenhar na floresta.

Com tradução simultânea para o português, Sr. Domingo ou seu filho Francis explica o mito de criação do mundo na língua de seu povo. Só isso já valeu a visita. Na última década, pelos menos 110 idiomas desapareceram na Amazônia. A maioria junto com seus falantes.

Mas agora o que se ouve é o som das flautas. Os rapazes tocam em círculo. Nos pés, os chocalhos dão o ritmo dos passos, chamando as índias para a dança. Os movimentos lembram as festas e rituais em que as aldeias trocavam peixes e frutos.

Quando Raimundo (o índio mais velho) saiu de sua terra há 15 anos, trouxe junto as rezas, as cantorias e os saberes de seu povo. Além da oca, ele reconstruiu o Yupari, conjunto de flautas e trombetas feitas de tronco de palmeira e, segundo a crença dos dessana, do espírito dos mortos.

Apresentação através de danças típicas, com instrumentos confeccionados por eles próprios, após cada dança os índios tiram os convidados para a dança final. Retorno, 1 hora de navegação.